Outubro Rosa

Outubro Rosa: como apoiar as mulheres a se cuidarem

A campanha Outubro Rosa, que acontece anualmente desde os anos de 1990, promove ações sobre a prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e do colo do útero, com o objetivo de compartilhar informações sobre a doença, promovendo conscientização e mais acesso aos serviços de diagnóstico para a redução da mortalidade.

“É uma questão de conscientização, de que é preciso fazer a mamografia e é preciso ir ao mastologista, anualmente. A Outubro Rosa conscientiza e estimula a mulher a se cuidar e isso é importante, porque se o câncer for diagnosticado precocemente, tem praticamente chance total de cura”, comenta o mastologista do Trasmontano Saúde, Dr. Nelson Taki.

Dentro deste contexto, vale lembrar que o dia a dia das mulheres pode ser fator decisivo para que doenças como o câncer sejam evitadas. Por isso, é muito importante que pais e filhos estejam sempre atentos, cuidando de suas mães, esposas, namoradas, professoras, enfim, de todas as mulheres que fazem parte de suas vidas.

O Dr. Nelson afirma que o risco de contrair doenças é minimizado quando a mulher cuida de si.

“O câncer de mama, por exemplo, está muito relacionado ao estado emocional. A paciente deprimida é propensa a contrair o câncer, pois não tem autoestima, não realiza o autoexame, não cuida de si. Depressão e infelicidade são fatores importantes para isso”.

O especialista detalha que diversos fatores podem dar mais propensão à doença.

“É uma questão multifatorial. Além do fator emocional, outros que valem citar são os ambientais: o estresse, as toxinas da alimentação moderna, produtos industrializados, como a pessoa dorme, o ar que respira e a rotina das grandes cidades, de modo geral. O fumo, a bebida alcoólica, a vida sedentária e a obesidade também contribuem para o quadro. Os fatores genéticos representam apenas 10% dos casos em pacientes jovens”, diz o Dr. Nelson.

O cuidado consigo mesma e conhecimento sobre o tema podem ser fatores decisivos para que a mulher possa identificar o problema, já que, em fase inicial, o câncer de mama não apresenta sinais.

“Na fase precoce, não apresenta sintomas. Para que seja logo diagnosticado, é importante autocuidado. Na fase mais avançada, surge um nódulo, ou uma imagem suspeita de tumor. Por isso, é preciso fazer o rastreamento por mamografia e ultrassom, a partir dos 40 anos. Nessa fase, a paciente pode sentir dores e desconforto na mama. Já na fase de metástase, quando o câncer se espalha, pode apresentar dor óssea, dor hepática, falta de ar, distúrbio cognitivo, dependendo do órgão que o câncer atingir”, orienta

Caso a mulher suspeite que tenha câncer de mama, o doutor indica visitar um médico.

“O primeiro passo é procurar o especialista, no caso um mastologista. Ele vai fazer o exame físico, apalpar a região e pedir outros exames para ter o diagnóstico. Esses exames podem ser a mamografia, ultrassonografia, ressonância magnética e até biópsia, caso encontre um nódulo suspeito. Somente o especialista poderá fazer o diagnóstico correto”.

Por fim, o mastologista aconselha que, mesmo com os avanços tecnológicos e com mais chances de erradicar a doença, ainda é preciso atenção aos sinais.

“Hoje os tratamentos estão muito eficientes, com os avanços da medicina, a cada dia, temos novas alternativas. Os tratamentos de radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia têm oferecido praticamente a cura total da paciente. Entretanto, é preciso o diagnóstico precoce, para que aumente esse percentual de sucesso. Ter a consciência de que é preciso se cuidar é o fator principal de combate ao câncer de mama”, finaliza.

Agora é com vocês! Vamos apoiar as mulheres para que elas se cuidem mais e tenham mais saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *